Camarilha dos Quatro

Revista de crítica musical.

AFX – “Wabby Legs” (1995; Warp Records, Inglaterra)

Dentro da aphexologia, o EP duplo Hangable Auto Bulb representa um marco redefinidor na carreira de Richard D. James. É o momento em que o artista abraça de vez os breakbeats mais insanos e abrasivos, fazendo com que eles desorganizassem e reorganizassem as límpidas (ou nem tanto) melodias de seus primeiros anos de carreira. Espécie de protótipo ou de criação de terreno para as sandices de The Richard D. James Album ou Come To Daddy, Hangable Auto Bulb mantém contudo todo o charme acid e o poder insidioso de suas calorosas melodias ambient. “Wabby Legs” termina a parte 1 do EP (a parte 2, com “Every Day” e “Arched Maid via RDJ”, é igualmente preciosa, e talvez só seja igualável em qualidade e poder de proposição ao single Windowlicker) e começa de forma introspectiva, a batida como que tentando se descobrir. Aos poucos se padroniza uma pulsação insistente de prato e uma deliciosa melodia que domina a primeira metade da faixa. Ali pelos três minutos, tudo muda: é a bateria em conversação consigo mesma, utilizando os beats quebrados do jungle e do db (a febre do underground inglês naquele momento) menos para chacoalhar do que para explorar as possibilidades das variações rítmicas e complexificar mais ainda as descobertas dos artistas seus contemporâneos de breakbeat. E, aos poucos, a melodia inicial da faixa volta, como que a dar um amparo “clássico” ao equilíbrio da composição. O resto é história: Aphex Twin como possivelmente o mais influente artista musical dos anos 90, a criação – e o subseqüente esquecimento – do termo drill’n’bass para designar as explorações menos orientadas para pista de dança do breakbeat, a “cena” em torno do rótulo: Squarepusher, µ-Ziq, Venetian Snares, etc. Hoje, escondido atrás do nome The Tuss ou com sua ambiciosa caixa de singles Analord, Richard D. james pode ter saído dos holofotes do hype, mas ainda é um dos artistas mais decisivos e talentosos da música contemporânea, estendendo sua influência da música erudita (Philip Glass) ao hip-hop (Prefuse 73), do jazz (The Bad Plus) à indietrônica (múm), passando naturalmente pelo rock (Radiohead). (Ruy Gardnier)

Anúncios

Um comentário em “AFX – “Wabby Legs” (1995; Warp Records, Inglaterra)

  1. Patrick
    18 de maio de 2012

    De fato, a união de melodia com esses BreakBeats insanos foram uma das coisas mais lindas que descobri nesses ultimos 6 meses!…. Podia rolar uma análise (um comentário tá valendo^^) de Windowlicker um dia desses… quem sabe….

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 23 de agosto de 2008 por em Uncategorized e marcado , , , , , .
%d blogueiros gostam disto: