Camarilha dos Quatro

Revista de crítica musical.

Oneida – “Horizons” (2011; Jagjaguwar, EUA)

Não sei se foi o estado em que o disco da Elieane Radigue me deixou essa semana, o caso é que, procurando por alguns lançamentos, me deparei com Absolute II, último disco do Oneida, e ao ouvir “Horizons” foi como ter adentrado em alguma espécie de experimento telecomunicativo interplanetário. Talvez o mais preciso seja não afirmar que “Horizons” é cantada mas, no mínimo, assombrada por uma voz que não exatamente está presente, mas tenta se comunicar. Em meio a graves e efeitos que lembram um motor ou uma hélice em movimento, “Horizons” faz aquela brincadeira de falar na frente do ventilador soar como uma espécie de experimento de transcomunicação instrumental. Alguma entidade estranha, pelo menos até a metade da música, tenta contato e, claro, estamos aqui para apreciá-la. Em sua segunda metade, “Horizons” confirma sua atmosfera hostil e agressiva, com repetições, mais graves e perdido, em algum lugar, um som que chega a lembrar remotamente uma guitarra. Estamos ouvindo uma música de rock? Se por um lado Absolute II (o último disco da trilogia Thank Your Parents) soa um pouco irregular e muitas vezes não deixa exatamente claras suas escolhas (talvez a resposta esteja justamente em se ouvir os três discos juntos), “Horizons” consegue funcionar de maneira bastante independente e, de alguma maneira, faz valer o ingresso. (Arthur Tuoto)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 19 de agosto de 2011 por em experimental, rock e marcado , .
%d blogueiros gostam disto: