Camarilha dos Quatro

Revista de crítica musical.

Akkord – Akkord001 (2012; Akkord, Reino Unido)

A estratégia básica em que alia-se um nome de identidade misteriosa a uma sonoridade igualmente obscura, seja como marketing pessoal, seja como parte de um pacote conceitual mais profundo, já é mais do que recorrente; em tempos de jornalismo musical especulativo então, nem se fala. O Akkord começa com suas excentricidades já pelo nome, com um triângulo no lugar do A (bem como aquelas bandinhas do witch house) e uma grafia toda particular na capa desse EP, sem falar na falta de informações sobre o projeto, sabe-se apenas que se trata de um coletivo da periferia de Manchester. Porém, da mesma forma que um nome como Burial, que se fez valer da mesma jogada, nos remete, hoje em dia, a uma espécie de monumento sonoro contemporâneo, o Akkord, com apenas algumas faixas, já anda ganhando a atenção de muita gente. Não que eles sejam o próximo Burial, longe disso, mas em tempos de um dubstep em meio a uma possível crise de identidade (problemas sempre naturais da proliferação cultural de um gênero em ascensão), a sonoridade, digamos, mais “pura” do projeto, parece ter tocado o coração da ala mais ‘conservadora’ (ou simplesmente aquela que mantém o bom senso) da presente bass music. Talvez a resposta esteja em uma certa geometria musical, pontualidade mesmo, com que o coletivo vai destilando suas batidas. “The Drums”, por exemplo, é de um minimalismo exemplar, na medida em que consegue manter um poderoso equilíbrio entre um andamento quase matemático com percussões mais industriais e uma bassline igualmente agregadora de forças, fora seus timbres mais metálicos que dão todo o tom atmosférica da faixa. “Renewal” é aonde o coletivo mostra sua faceta mais veloz, com um senso de evolução bastante peculiar através de um andamento complexo entre um jogo de percussão curioso e synths mais instáveis, sempre contagiantes. E como em “The Drums”, a faixa é pontuado por um vocal em uma espécie discurso filosófico que aos poucos se transforma em sample, ou mera célula musical que vai se perdendo nesse oceano de timbres até certo ponto limpos, mas não menos agressivos em suas incisões precisas. (Arthur Tuoto)

“The Drums” fez parte do Camarilha Podcast #74
Ouça “Renewal

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 8 de março de 2012 por em EP da semana e marcado , , , , .
%d blogueiros gostam disto: